Coitada da vítima!

Coitada da vítima!

 

 

 

Aquele momento em que parece que o mundo está contra você…

Ou aquele comentário infeliz do “dedo podre”…

Ou ainda…sentir que nasceu onde o rio faz a virada e deposita o lixo…

Sentir-se vítima é um processo de autopiedade.

Mas será que esse pessimismo ajuda?

Mas com honestidade….no momento em que está sentindo pena de si mesmo você não está sendo vítima.

Você não é o coitadinho. Você está no papel do algoz.

Se numa empresa alguém está faz papel de vítima, isso quer dizer que existe outra pessoa fazendo o trabalho em dobro.

O mesmo pode ocorrer em casa: todos acolhem o “coitadinho”, que na verdade monopoliza a atenção e a energia dos familiares.

Se em vez de manipular os outros reconhecer que algo não vai bem em sua vida e descobrir o proposito maior da vida, que é o caminho da espiritualidade, a jornada vai ficar bem mais leve.

Somos campos espirituais numa experiência humana; assim acredito.

Honremos essa experiência com serenidade.

Mas…a carência pode bater à porta.

Carência do que?

Vamos conversar?