Ciúme, esse veneno amargo….

Ciúme, esse veneno amargo….

 

 

Em algum momento se a gente quiser viver ligeiramente em paz a gente tem que desistir de sentir ciúmes.

Ciúme chega a doer.

Então a saída é raciocinar e entender a origem dessa sensação bem ruim:

Por que será que a gente sente ciúmes de forma diferente com diferentes pessoas?

O que descobri nessas situações é que a gente sente que está perdendo a importância, está perdendo o lugar ou pode perder.

A gente acaba passando poder demais para o comportamento do outro.

Ou…que a atenção do outro(a) não é toda pra gente; afinal somos a pessoa mais importante do mundo (????!!!!!) ou deveríamos ser para ele (ou ela).

O ciúme cria fantasmas até nos sonhos; tudo fica suspeito.

Mas… supondo uma traição ou qualquer coisa parecida; o outro(a) traí e eu que me sinto traída?????

A traição é problema do outro(a); o meu problema é como (e se) quero continuar na história.

Isso no caso das relações românticas.

Quando é em família aí complica um pouco porque envolve competição por reconhecimento e afeto.

O que percebi que me ajudou muito foi colocar o poder nos meus projetos, fazer “minha criança mimada” crescer e ir diminuindo a necessidade de receber reconhecimento e atenção das pessoas amadas.

Autovalorização é um alívio mega eficiente.

Também é bom lembrar: gente ciumenta é muito chata!!!!!